“Vaidade.”





Companheira da Soberba
Inimiga da Humildade

Semeadora das intrigas
Destruidora de amizades

Vive sempre de aparência
Não suporta a verdade

Cativante, lisonjeira
Armadilha da maldade

Sedutora, atraente
Traidora sem piedade

Leva-nos as alturas
Abandona-nos na sepultura

Vaidade

Os teus dias são contados
Brevemente terão fim

Regeitarão tua luxúria
Negarão a tua volúpia

Perder-se-á no caminho
Desaparecerá no espaço

Logo findar-se-á
Chegará o teu fracasso

A realidade a ti virá
Onde estarás óh vaidade?

Solitária!
Desprezou a amizade

Sozinha!
Esmagou o coração

Assim ficará!
Morrerá de solidão

Vaidosa, efêmera

Como bola de sabão

15 Response to "“Vaidade.”"

  1. Marcio Alves says:
    10 de fevereiro de 2010 09:06

    Sintetizo o aua bela e magnífica poesia em uma só frase:

    Vaidade das vaidades é o vaidoso GRESDER SIL!!!!

    Uma homenagem ao contrario ao ESDRAS GREGORIO!!!!

  2. Marcio Alves says:
    10 de fevereiro de 2010 09:09

    Onde eu escrevi "o aua", leia-se "a sua".

  3. Jair dos Santos says:
    10 de fevereiro de 2010 12:11

    Minha intenção na verdade não é apontar pessoas, mas alertar todas as pessoas, inclusive eu; Que a vaidade é um mal invisivel e que todos tem e precisam controlá-la e não se deixar controlar pela vaidade.

    Quando a vaidade controla o homem, este homeme se alto destruirá.

  4. Marcio Alves says:
    10 de fevereiro de 2010 12:16

    Putz!!!! Acabei esquecendo Gresder, de colocar risadinhas no final de nossas brincaderinhas..........então lá vai......rsrsrsrrssrsrsrrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrssrssrsrssrsrsrrrrs

  5. Jair dos Santos says:
    10 de fevereiro de 2010 12:19

    A Vaidade se rirá do vaidoso e na sepultura procurarão a tua beleza, onde estará?

    Do lado de fora, na pedra, no marmore e no granito que enfeitam a lápide que terá a escrição Aqui jaz um vaidoso.

  6. Eduardo Medeiros says:
    10 de fevereiro de 2010 13:21

    Ô Jairzinhooooooo....

    Meu camarada, a cada dia que passa estás poetizando melhor rssssss

    Sério: Belo poema e uma bela descrição da nossa tão conhecida vaidade.

    Eu era muito vaidoso quando era adolescente. Eu tinha um coisa com meu cabelo que eu ficava horas no banheiro penteando prá frente, penteando prá tras...me admirando e vendo de que maneira eu ficava mais bonito rsssssss

    A cada dia meu cabelo estava de um jeito diferente rsss na verdade, era vaidade sim, mas também era o meu espírito de metamorfo que não aquentava a mesma cara todo dia rssssss

    Ainda sou vaidoso, mas como você disse, procuro ser um vaidoso controlado.

    Aliás, coisa que o esdras deveria aprender a ser...heeeee

  7. Jair dos Santos says:
    10 de fevereiro de 2010 13:44

    Grande Dudu, mais uma vez por aqui, fico muito feliz.

    Confesso que quando escrevi esta postagem, passava por um momento de "furia", pois estava muito magoado com o "Menino dourado" (Gresder), esquece já passou, ja passou, mais não devo negar foi o Gresdinho que me inspirou...rsrsrsrs

  8. Gresder Sil says:
    10 de fevereiro de 2010 16:41

    É isso mesmo Jair eu sou mesmo a inspiraçao para o bem e para omal, pois estou alem do bem e do mal kkkkk.

    Meu pai quando não aguenta discutir comigo ele pergunta desaforado

    se eu sou domo da verdade, dai eu respondo que não sou dono da verdade, eu sou a verdade kkkkkk.

    Eu não sou vaidoso, eu sou a propia vaidade encarnada, ou você não sabia que vaidade me escolheu para se representar.

    Pois vaidade é uma coisa moral eu estou alem de questois morais,

    como um espírito inalterável que passeia esse planeta sem se contaminar com essas

    coisas e por isso eu brinco com vocês mortais que são tao vaidosos do que eu mas não tem coragem de assumir.

    É que a mente de voces esta tao atrasada que nao persebe o obvio das minhas vaidades escancarada na cara de voces.

  9. Edson Moura says:
    10 de fevereiro de 2010 20:28

    Jair meu poeta furacão! A vaidade é um tema que nos deixa com as calças na mão!Rss Rimou sem querer!

    Mas concordo (putz...vou me arrepender de dizer isso), com o Gresder quando ele diz que no fundo somos todos vaidosos.

    Mas a verdade é que temos um moderador de "vaidosísmo", coisa que falta no prodígio.

    Mas seu tiro saíu pela culatra pois já de antemão te digo: "O lema do Gresder é...falem de mim...bem ou mal, mas falem de mim!Rssss

    Belo poema meu caro amigo!

  10. Levi Bronzeado says:
    10 de fevereiro de 2010 22:09

    É meu caro Jair

    Mas a vaidade pode chega ao cúmulo de provocar gozo até no moribundo em seu leito de morte: é quando ele sem força até para falar, planeja como vai ser seu enterro, o modelo do caixão, a cor do túmulo com os dizeres na lápide, etc.

    Então ele morre vaidosamente sonhando e pensando no seu último espetáculo pela ruas da cidade.

    É a última e mais cruel das vaidades (rsrsrs)


    Saudações fraternas,

    Levi B. Santos

  11. Jair dos Santos says:
    11 de fevereiro de 2010 11:18

    E Gresder não tem jeito não, mesmo tentando ser humilde demonstra o orgulho de vaidoso.

    Perfeito Meu querido Edson;

    A vaidade é inerente do ser humano, só precisamos ter cuidado para que ela não se torne "Um deus", ou seja, nos considerarmos o nosso próprio deus e adorarmos só a nós mesmos e considerarmos os outros como simples mortais, esta é uma das piores vaidades.

    O deus da mitologia Gresderiana da vaidade chama-se Esdras Gregorio que quer ser referenciado como "Gresder o deus da vaidade" vaidade...rsrsrsrs

  12. Jair dos Santos says:
    11 de fevereiro de 2010 11:25

    Mestre Levi;

    Nos ajude nesta questão embaraçosa, pois tentamos ser simples e nos orgulhamos da nossa simplicidade, já nos tornamos vaidosos e quando o ar de superioridade nos arrebata o coração estamos caindo novamente na armadilha da vaidade.

    Como então conseguiremos nos livrar da vaidade?

    A pscanalise tem uma resposta?

  13. Gresder Sil says:
    11 de fevereiro de 2010 15:54

    Jair nao tem como, tudo é vaidade, já dizia o sabio.

  14. Levi Bronzeado says:
    12 de fevereiro de 2010 14:52

    Prezado Jair

    Como não podemos andar nus, vestimo-nos de uma roupagem denominada "vaidade", para sermos vistos como atores desse grande teatro que é a VIDA (de relação). rsrsrs


    Abçs,

    Levi B. Santos

  15. Jair dos Santos says:
    12 de fevereiro de 2010 15:20

    Concordo Gresder a vaidade é inerente do ser humano, como dominadores que somos precisamos dominar a vaidade.

    Mestre Levi me fizeste lembrar da suposta queda do homem, que após provar o fruto proibido, descobre a nudez, será que a vaidade se iniciou neste momento?

Postar um comentário