Nephesh, ruah e adamah.






“Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida e homem se tornou um ser vivente.” Gênesis 2..7(NVI).

Motivações: “Alma meu amigo, é um tema da religião e pode nem existir”.
Diante da frase acima descrita, mencionada por um célebre pensador, amigo na blogosfera. Dediquei-me estudar um pouco mais sobre assunto de relevante importância.
Em um acalorado e amigável debate acerca da existência da alma e sua importância na existência do homem, meu amigo, se bem entendi, sugere que esta tal alma não exista. Logo pensei: O que sou eu sem a alma? Um corpo inanimado?  
Ressalto que não tenho a pretensão de estabelecer um ponto final no assunto, me tornando o dono da verdade, pois é um assunto considerado indissolúvel.
Quero exercer um dom que Deus concedeu ao homem, a saber, o dom de pensar, aliás, este é um dos atributos da alma e que difere o homem dos outros seres vivos.  Pensar me faz crer ou como na frase original de John Stott: “Crer é também pensar”.
Neste exercício mental que nos faz perder energia e  sono e alguns dias refletindo.  Na realidade não se trata de perder, mas sim empregar as nossas energias pensando e o resultado é o fortalecimento da fé.
Tentei desassociar a alma do corpo e o corpo da alma, cheguei à conclusão que o corpo sem a alma é apenas matéria perecível e alma sem o corpo não existiu.(um fantasma?) Talvez seja essa a idéia do meu amigo. Volto à estaca zero: Como meu corpo sem alma poderá interferir, contribuir, mudar alguma coisa relacionada à vida se sem a existência da alma este corpo  é apenas matéria perecível, sem vida?

E como poderei saber se alma existe se ela não se manifestar no corpo?
Em síntese: O corpo precisa da alma para se tornar vivo (humano) a alma precisa do corpo para se manifestar.

Ed René Kivitiz assim definiu a criação do homem no Gênesis:

...”formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra (adamah) e lhe soprou nas narinas o fôlego da vida (ruah), e o homem passou a ser alma vivente (nephesh).
Então Ed brilhantemente propõe a seguinte equação: “pó da terra + fôlego de vida = alma vivente.
O mais lindo desta historia é que Deus criou a alma vivente com os mesmos atributos da sua pessoa: Livre, racional, capaz de amar, se relacionar, capaz de decidir entre o bem e o mal. Isto não tem preço.
Ressalva: Deus criou o homem livre, fez deste homem sua imagem e semelhança á fim de se relacionar com o homem. Deus é pessoa e pessoas precisam se relacionar entre si, á fim de que todos sejamos UM.
Deus se relaciona conosco para que estejamos nele e ELE em nós.

·         Palavras em hebraico: Nephesh – Alma vivente; ruah – fôlego de vida;
Adamah – pó da terra.

1 Response to "Nephesh, ruah e adamah."

  1. Eduardo Medeiros says:
    22 de janeiro de 2010 20:45

    Tricotomia, dicotomia são apenas palavras. Não somos corpo, alma e espírito, ou corpo e espírito, ou corpo e alma. Somos um. Meu corpo é minha alma, e minha alma é meu espírito e ambos são meu corpo.

    Isso parece muito as instâncias do ego, id e superego da psicanálise freudiana. Mas quem já viu o ego? ou o superego? ou ainda o id? Ou quem já viu uma alma?

    Não creio na fragmentação, creio na unidade holística. Será possível pensar somente com o espírito, ou somente com a alma ou somente com o corpo? ou ainda acessar o mistério divino apenas com o espírito e sem o corpo?

    A fé cristã dá tanta importância ao corpo, que formulou a doutrina da ressurreição. Corpo e espírito juntos de novo, num corpo uno.

    Assim como deus é um é três (simbolicamente falando), podemos ser dois ou três, mas somos de fato, um.

Postar um comentário