As víboras á que se referiu João Batista.




Com ele não tinha meio termo, não tinha conversa fiada nem rodeio, ele ia direto ao ponto, como alguns dizem no adágio popular; “Com ele o papo é reto”.

Sua pregação nos dias de hoje teria a mesma rejeição que teve no seu tempo e certamente hoje a sua cabeça também seria dada á premio.

Sua pregação era acerca do arrependimento, não pregava prosperidade, cura, milagres.
Se ele fosse um Pastor nos dias de hoje sua igreja estaria vazia, tenho certeza que a liderança da demonização (Gresder) já o teria afastado com o argumento que sua pregação está matando o povo.

Quem seriam as víboras de que João Batista se referiu num dia de batismo?
Os que entraram na fila do batismo o fizeram para fugir da condenação, porém apenas por conveniência, modismo, perdoem-me o chavão “Buscam a benção e rejeitam o abençoador”.

Será que estou falando alguma novidade?
Hoje o que o povo está buscando é diferente?
Antes de se decidirem analisam o que podem conseguir com tal iniciativa, caso não alcancem êxito, como bons investidores migram para um novo empreendimento.

Vou ser pragmático; Os religiosos pensam: buscar Jesus me livra do inferno? Vou buscá-lo; Pagar o dizimo ( a expressão é esta mesmo pagar) vai me livrar da pobreza? Vou pagar.

As víboras que estavam na fila do batismo de João temiam a ira de Deus, não temiam á Deus como se referiu o Prof. Alan Brizotti: "Temor não é o medo de Deus, é o medo de sua ausência". Só de imaginar nos fere o coração.

Sinto em dizer; Ainda que combatemos este evangelho mesquinho e arrogante, na intenção de alertar o povo do engano; Chego a conclusão que as pessoas só têm o "evangelho" que merecem.

Como João Batista pregou: “O machado está posto á raiz da arvore”...

"Eu fico com a palavra de Deus".

8 Response to "As víboras á que se referiu João Batista."

  1. Gresder Sil says:
    20 de novembro de 2009 16:35

    Você ta rápido no gatilho em? Nem espera a gente ler direito um texto e já posta outro. Não fui eu não que inventei esse termo Demonização, li em algum lugar, não sou tão malvado assim rsrsr

    “Os religiosos pensam: buscar Jesus me livra do inferno?” eu acho que a maioria não tem tanta certeza de sua fé, mas se caso isso tudo for para eles verdade mesmo e para não arriscar perder essa bocada que é a vida eterna, eles “servem” a Deus.

  2. Jair dos Santos says:
    20 de novembro de 2009 19:14

    Pode parecer quimera; mais acredito támbem este é o desejo do coração de Deus; Que o ammemos por gratidão, mais parece que esta palavra está ultrapassada seguir por barganha é no minimo egoista da nossa parte.

    Em relação ao gatilho rápido, preciso aproveitar em quanto tem bala na agulha...pow,pow,pow...rsrsrs

  3. Edson Moura says:
    21 de novembro de 2009 01:40

    Jair meu irmão, me ajude com umas dúvidas.

    Como escrevi em minha última postagem, tenho muito medo de conduzir pessoas ao erro.

    Vejamos os efeitos colaterais do que escrevo.(ou escrevemos)

    Ainda que as consciências dessas pessoas estejam sendo acordadas por nossas mensagens, os seus corações talvez não mudem muito. (talvez)

    Por isso, quando termina o poder do pecado e do inferno em suas vidas, acaba também o motivo que
    os levou a tornarem-se cristãos e tendem, eu acho à voltar naturalmente aos seus costumes antigos, assim
    como vemos voltar o cão ao seu vômito.

    Buscavam avidamente o céu, só porque compreendiam e temiam os tormentos do inferno eterno.

    Mas logo que se resfria e enfraquece esta apreensão e este temor, também resfriam e enfraquecem os desejos que tinham, do céu,e da salvação.

    Não estou discordando de você,apenas deixo claro que são dúvidas minhas.

    Talvez eu devesse mandar este comentário para seu E-mail particular, mas resolvi deixar minhas dúvidas patentes também aos seus e meus leitores, para eles errôneamente, não venham a pensar que somos "super-crentes", quando somos na realidade só homens comuns.

    Fique na paz irmão!

  4. Marcio Alves says:
    21 de novembro de 2009 09:51

    Meu querido amigo Jair, concordo com o seu texto supracitado.

    Os crentes na sua esmagadora maioria - assim como os religiosos do tempo de João Batista - só buscam a Deus em beneficio próprio.

    Até mesmo - na melhor das hipóteses - o Céu, vida eterna, são motivações erradas para se buscarem a Deus.

    Devemos buscar a Deus, por ele mesmo.
    Ou seja, não são as recompensas de bênçãos ou promessa de ir para o céu e nem medo do inferno, que tem que nos motivar para se buscar a Deus - Ele não nos precisa "comprar" para o servirmos.

    Acredito que devemos buscar a Deus por dois únicos motivos:

    1- A sua pessoa.
    Deus é maravilhosamente maravilhoso!
    Se tive-se que escolher apenas uma pessoa para passar a eternidade, esta seria Deus.

    2- Gratidão eterna.
    Só o fato de Cristo ter morrido por mim, em uma cruz, por amor eterno, já me motiva a servi-lo por toda eternidade, mesmo que não receba mais nenhuma benção.

    Agora, tem uma questão que o Edson levantou que precisamos no mínimo considera-lá:

    "Os efeitos colaterais do que ensinamos".

    A lógica é a seguinte:
    "Se os crentes, em sua grande maioria, buscam a Deus, por interesse, seja qual for, e se nós conseguirmos convencê-los de que - por exemplo - o inferno não existe, essa mesma maioria, deixaria de servir a Deus."

    Então o que fazermos?

    Por enquanto, minha humilde opinião é a de que, devemos continuar falando a verdade - pelo menos a nossa verdade, conforme nossa consciência.

    Se algum dia, Deus nos chamar para prestar contas a Ele, do que falamos Dele, que seja da nossa consciência, pois afinal, como o que temos de Deus são apenas percepções, acredito que Deus não nos condenará por errarmos teologicamente, mas sim por nossas motivações e consciência.

    Acredito que todo homem tem o dever de falar conforme sua consciência.

    Como disse Marinho Lutero: "Não é bom o homem ir contra a voz da sua consciência."


    Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

  5. Jair dos Santos says:
    21 de novembro de 2009 10:27

    Meu querido Edson, fico contente com sua sinceridade e os questionamentos são importantes para uma revisão dos nossos conceitos.

    Nesta postagem senti que poderia ter se expressado melhor e ter evitado alguns posicionamentos radicais.

    Em uma recente postagem procurei ser mais cauteloso. Leia por favor é bem possivel que responda suas duvidas ou não.

    Caso não; tentarei novamente.

  6. Edson Moura says:
    21 de novembro de 2009 12:27

    Mano, eu sei que não há intenções más em nossos corações, minhas dúvidas, na verdade são dilemas.

    Pois:

    Eu apenas conheço a minha consciência, e sei que ela não me fará abandonar a Deus, pelo fato de eu acreditar que não exista essa tal condenação eterna que sempre falo, e também porque não não dirijo minha vida ao céu (entenda) de ruas de ouro, onde não haverá mais pranto nem clamor nem dor. (não estou dizendo que o céu não exista, ao contrário, por ter tanta certeza que ele exista, não me preocupo com isso e sim com um profundo relacionamento com Deus apenas por gratidão, como você citou)

    Mas nem todas as pessoas vêm a liberdade em Cristo dessa maneira. Essa liberdade despreocupada adquirida através da graça absurdamente grande do Senhor pode se tornar um álibi para libertinagem.

    Não discordo um milímetro do que você escreveu Jair, apenas confesso que sou um amontoado de paradoxos.

    Mas deve ser assim que as coisas funcionam né?!

    Afinal de contas O quê faz o mundo evoluir são as perguntas.

    Fique em paz

  7. Jair dos Santos says:
    21 de novembro de 2009 13:52

    Em relação ao céu, concordo com você e vejo este céu como coadjuvante, as ruas de ouro e cristal são apenas adereços; Mais o que realmente nos atrai é a presença de Deus.

  8. Jair dos Santos says:
    21 de novembro de 2009 13:54

    Perfeito meu amado;

    Porém existem muitos que não acharam o caminho; então para nós que seguimos "Um outro Evangelho" somos vistos na contra mão do senso comum.

    Então só precisamos de calma, porque uma certeza já temos.
    Nada nos separará do AMOR de Deus. Fique em Paz.

    Estamos em aperfeiçoamento, é normal as dores.

    Vamos dividir as cargas então fica mais facil caminhar.

    Conte comigo.

Postar um comentário